Prefeito Sandro Matos é o novo presidente do PHS Rio

A Executiva Nacional do PHS recebeu, nesta quarta-feira (7), a filiação de Sandro Matos, atual prefeito de São João de Meriti (RJ), município de quase 600 mil habitantes e mais de 350 mil eleitores na Baixada Fluminense.

Sandro Matos, que foi vereador, deputado federal por dois mandados e prefeito eleito e reeleito de Meriti, foi o grande articulador da vitoriosa eleição de seu irmão Marcelo Matos para a Câmara Federal e do aliado Marcos Miller para a ALERJ, e será o líder maior do projeto político do PHS no estado do Rio de Janeiro.

Na solenidade estavam presentes, o presidente Nacional do PHS, Eduardo Machado; o secretário-geral Nacional Luiz França; o deputado federal Marcelo Aro (PHS-MG), líder da bancada na Câmara dos Deputados; o deputado estadual Marcos Miller (PHS-RJ); além de vereador Rony Ferraz (PHS) e dos secretários municipais de Meriti, Gil Matos (Governo) e Drigão (Obras). Na Câmara municipal da cidade, o PHS ainda conta com o vereador Carlos Roberto Rodrigues.

Para o presidente Eduardo Machado, a nova filiação reforça o quadro do partido no Rio de Janeiro. “Estamos felizes em receber mais esse grande nome e temos a certeza de que o trabalho incansável do prefeito Sandro Matos será repetido à frente do PHS”.

Matos reforçou o compromisso com o partido: “Chego para somar e vamos atrás de resultados ainda mais positivos para o partido em 2016 e 2018. A meta da Executiva Nacional é a meta do PHS Rio de Janeiro”, garantiu.

O projeto de crescimento do PHS carioca teve início com o vereador Marcelo Piuí e segue agora com o prefeito Sandro Matos. Piuí, que continua sua caminhada solidarista, trabalha para sua reeleição na capital carioca. “O vereador é um grande dirigente e tem todo nosso apoio para se concentrar na capital e em sua reeleição. Agradecemos o trabalho que foi desenvolvido e que continua como mandatário”, afirma Eduardo.

“Piui é um quadro histórico do PHS e tem todo nosso apoio para buscar seu terceiro mandato como vereador no Rio de Janeiro”, lembrou Luiz França.

Deixe uma resposta